Conceito de pessoa, nas entrelinhas da filosofia, sociologia, psicanálise e logoterapia

Carlos Eduardo Freitas, Eliseudo Salvino Gomes, Iris Reis Ferraz, José Roberto Vasconcelos

Resumen


O presente artigo tem por objetivo principal identificar o conceito de pessoa nas Disciplinas da Filosofia, Sociologia, Psicanálise e Logoterapia; na perspectiva da escolha objetiva do sujeito. Para realizar o estudo desses conceitos, pessoa e escolha, foram utilizadas concepções de diversos autores, além dos teóricos próprios de cada uma das Disciplinas supracitadas. A imbricação entre os distintos teóricos contribui na compreensão dos interesses presentes no processo de escolha de cada pessoa e, nos princípios básicos que o norteia. Com efeito, o ponto de vista que leva uma pessoa a escolher um objeto não é necessariamente idêntico à importância objetiva que o objeto tem em si mesmo: um objeto de escolha como a vocação, pode ser um valor em si mesmo e ainda assim, ser escolhido por razões e interesses profundamente pessoais.

Palabras clave


Pessoa; Escolha; Filosofia; Sociologia; Psicanálise; Logoterapia

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Antiseri, D.; Reale, G. (2006). História da filosofia, 6: de Nietzsche à Escola de Frankfurt. Trad. Ivo Storniolo. São Paulo: Paulus.

Assmann, H. (2007). Reencantar a Educação: Rumo à sociedade aprendente. Petrópolis, RJ: Vozes.

Bauman, Z. (2006). Comunidad - en busca de seguridad en un mundo hostil. Madrid: Siglo XXI.

Binswanger, L. (1973). Artículos y conferencias escogidas. Madrid: Gredos.

Boltanski, L.; Chiapello, E. (2009). O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes.

Cooley, C. (1976). O significado da comunicação para a vida social. In: Cardoso, Fernando; Ianni, Octavio (1976). Homem e Sociedade. São Paulo, Companhia Editora Nacional.

Durkheim, E. (2009). Da Divisão do Trabalho Social. São Paulo, Martins Fontes.

Fabry, J. (1984). A busca do significado. São Paulo: ECE.

Figueiredo, L. C. (1996). A invenção do psicológico (quatro séculos de subjetivação 1500 - 1900). São Paulo: PUC-SP.

Frankl, V. (1972/1994). Der Wille zum Sinn: Ausgewahlte Vorträge über Logotherapi Mit einem Beitrag von Elisabeth S. Lukas. Bern: Verlag Hans Huber. (La voluntad de sentido. Barcelona: Herder).

Frankl, V. (1989). Psicoterapia e sentido da vida. São Paulo: Quadrante.

Frankl, V. (1991). El hombre en busca de sentido. Barcelona: Herder.

Frankl, V. (1991a). Em busca de sentido. Petrópolis: Vozes.

Frankl, V. (1994). La voluntad de sentido. Barcelona: Herder.

Frankl, V. (1999). La idea psicológica del hombre. Madrid: Rialp.

Frankl, V. (2003). Lo que no está en mis libros: memorias. Buenos Aires: San Pablo.

Freud, S. (1914). A história do movimento psicanalítico, artigos sobre metapsicologia e outros trabalhos. In: Freud, S. Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1914. Vol. XIV.

Freud, S. (1923). O Ego e o Id e outros trabalhos. In: Freud, S. Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1923. Vol. XIX.

Freud, S. (1969). O mal estar na civilização. In: Freud, S. Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. Vol. XXI.

Freud, S. (1987). O mal-estar na civilização. In: Freud, S. Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, Vol. XXI.

Freud, S. (1987a). As Relações Dependentes do Ego. In: Freud, S. Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1987. Vol. XIX.

Habermas, J. (2012). Teoria do Agir Comunicativo, vol. 2: Sobre a crítica da razão funcionalista. São Paulo: Martins Fontes.

Herrera, G. P. (2006). Viktor Frankl: Comunicación y resistencia. Buenos Aires: San Pablo.

Lacan, J. (1983). O Seminário 1: Os Escritos Técnicos de Freud 1953-1954. (B. Milan, Trad.) Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lévi-strauss, C. (1989). O pensamento selvagem. São Paulo: Papirus.

Lukas, E. (1992). Prevenção psicológica (coleção Logoterapia vol. 7). Petrópolis: Vozes.

Manenti, A. (1993). Viver os ideais - Entre o medo e o desejo. São Paulo: Paulinas.

März, F. (1981). Dos ensaios de pedagogia existencial. Barcelona: Herder.

Maslow, A. H. (1979). Introdução à Psicologia do ser. Rio de Janeiro: Eldorado.

Maturana, H. (2002). Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: UFMG.

Maturana, H., Varela, F. (1998). De máquinas y seres vivos - Autopoiesis: la organización de lo vivo. Santiago de Chile: Editorial Universitaria.

Morin, E. (2002). Os sete saberes necessários à educação do futuro. Trad. Catarina Eleonora F. da Silva; Jeanne Sawaya. 5ª ed. São Paulo: Cortez.

Novaes, M. A. A. (2005). Como se faz corpo? Considerações sobre o ideal em Freud e Lacan. Pulsional. Revista de psicanálise - Artigos ano XVIII n°182. Junho.

Rulla, L. M. (1987). Antropologia da vocação cristã – Bases interdisciplinares. São Paulo: Paulinas.

Scheler, M. (1976). El puesto del hombre en el cosmos. Buenos Aires: Losada.

Scheler, M. (1978). La idea del hombre y la historia. Buenos Aires: Pléyade.

Scheler, M. (2003). A posição do homem no Cosmos. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Simmel, G. (1976). O individuo e a díade. In Cardoso, F.; Ianni, O. Homem e Sociedade. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Taylor, C. (1994). La ética de la autenticidad. Barcelona: Paidós.

Taylor, C. (2005). Charles. As fontes do Self: a construção da identidade moderna. São Paulo: Loyola.

Taylor, C. (2007). O que é agência humana in Souza, Jessé; Mattos, Patrícia. Teoria crítica no século XXI. Anablume, pp. 7-40.

Taylor, C. (2010). Uma era secular. São Leopoldo, RS: UNISINOS.

Weber, M. (2006). A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras.




DOI: https://doi.org/10.14516/fdp.2015.006.001.014

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




ISSN: 1989-9289

DOI prefix: http://dx.doi.org/10.14516/fdp