Tempestade e tensão: Richard Wagner e A formação da identidade nacional alemã

Fábio Caetano Tovo

Resumen


O presente artigo analisa a música de Richard Wagner como instrumento de exaltação de mitos de origem nórdica como forma de construção da identidade alemã, durante o século XIX. Utilizando variadas publicações sobre o compositor e o processo de unificação da Alemanha, além de fazer uma análise de algumas das suas óperas, procurando demonstrar como suas composições foram usadas, dentro do movimento Romântico do século XIX, para criar um sentimento de identidade que fez com que quando da criação do Estado alemão, este já contasse com uma nação constituída.

Palabras clave


Richard Wagner; música; identidade; memória

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Bourdieu, P. (2010). O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Bourdieu, P. (2014) Sobre o Estado. São Paulo: Companhia da Letras.

Budel, L. C. B. (2013). Música, Arte e Sociedade: Richard Wagner e a unificação do Estado Nacional alemão. (Monografia em Ciências Sociais). Setor de Ciências Humanas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Burke, P. (2010). Cultura popular na Idade Moderna. São Paulo: Companhia das Letras.

Burke, P. (2005). O que é História Cultural? Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Foix, Ll. (2005a). Bismarck y el Espíritu Prusiano. Historia y Vida. Barcelona: Mundo Revistas, pp. 44-47.

Foix, Ll. (2005b). El Canciller de Herro: símbolo del pragmatismo político. Historia y Vida. Barcelona: Mundo Revistas, pp. 56-59.

Grimberg, C. (1989). História Universal: Da Restauração ao Liberalismo, vol. 20. São Paulo.

Kosellack, R. (1999). Crítica e Crise. Rio de Janeiro: UDUERJ: Contraponto.

Le Goff, J. (2003). Memória e História. Campinas: Unicamp.

Lévi-Strauss, C. (1989). Mito e Significado. Lisboa: Edições 70.

Moniz, L C. (2007). Mito e Música em Wagner e Nietzsche. São Paulo: Madras.

Oliveira, S. de. (2013). O amor metafísico schopenhaueriano em Tristão e Isolda de Richard Wagner. In: Revista Voluntas: Estudos sobre Schopenhauer, 4(1), pp. 139-145.

Pollak, M. (1989). Memória, Esquecimento, Silêncio. Estudos Históricos, 2(3), pp. 3-15.

Pollak, M. (1992) Memória e Identidade Social. Estudos Históricos, 5(10), pp. 200-212.

Pondé, L. F. (2017). Amor para Corajosos. São Paulo: Planeta.

Rousseau, J. J. (2013). Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens. Porto Alegre: L&PM.

Riding, A., Dunton-Downer, L. (2010). Guia Ilustrado Zahar: Ópera. Rio de Janeiro: Zahar.

Sáez, S. V. (2005). La Vieja Alemania: un mosaico de estados. Historia y Vida. Barcelona: Mundo Revistas, pp. 32-43.

Silva, R. J. B. da. (2009). História Invisível: uma análise psicossocial das raízes mágico-religiosas do Nacional-socialismo. (Tese de Doutorado em Psicologia) Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo.

Suhamy, J. (1997). Guia da Ópera. Porto Alegre: L&PM.

Wagner, R. (2010). Beethoven. Rio de Janeiro: Zahar.




DOI: https://doi.org/10.14516/fdp.2018.009.001.002

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

ISSN: 1989-9289

DOI prefix: http://dx.doi.org/10.14516/fdp